" "

"Eu penso que patriotismo é como caridade - Começa em casa!". (Henry James).

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Desilusões urbanas


Saiu de casa naquela tarde...

E viu o motorista estressado,
O cheira-cola,
O mendigo,
A prostituta,
O desempregado...
E o vendedor de CDs piratas tocava o hino nacional!

Viu a passeata dos estudantes,
O piquete dos grevistas,
O vaguear do vira-latas,
O adolescente vândalo,
O velho abandonado...
E o outdoor do político que lhe pedia pra voltar!

Viu a vítima do roubo ainda atordoada,
O atropelado a espera de socorro –
Que fizeram com o celular dele?
O jogador jogando o bilhete já jogado,
Sem prêmio, sem nada, na calçada...
E a cigana lhe estendia a mão para adivinhar boa sorte por um real!

Viu o jornal e o horóscopo dentro dele,
Prevendo um dia de boas descobertas.
Mas logo leu as trapalhadas dos meninos:
Daquele que é o cara, do Chapolin e do dono da ilha...
E o mais sagaz de todos, com sorriso aberto dizia:
- Só quero soltar bombinhas no telhado de Maria!

Voltou pra casa naquela noite,
Não quis saber da novela,
Tomou um suco de maracujá,
Ajeitou a cabeça entre as pernas da mulher,
E foi dizendo:
- A coisa ta preta, Estela, a coisa ta preta!

Humberto de Lima

sábado, 15 de maio de 2010

O trem de Tereza



Acorda Tereza, teu trem já saiu!
E só tem esse, outro não tem não.
Se tu desces, ficas sem passeio,
Se tu dormes, que vais contar então?
Abre a janela e olha o mundo lá fora;
Tem tanta coisa bonita pra ver!
O caldo de cana naquela parada;
E aquele pão doce, não deves perder!
Esse trem não volta, Tereza!
Não tem marcha ré e nunca dá pra trás.
Se perdeste o picolé da estação passada,
É melhor seguir em frente em busca de algo mais.
Pra que zangar, pra que chorar,
Porque brigar com o maquinista?
Ainda tens muita estrada,
Até que chegues à paisagem que está bem lá, além da vista.
Humberto de Lima

segunda-feira, 10 de maio de 2010

Minha tristeza


Ando triste em relação ao que vejo na programação gospel exibida na televisão brasileira. Causa-me repugnância saber que horários tão caros, pagos mediante sacrifício financeiro de tanta gente pobre e desesperada, sejam utilizados para vender ilusões.  Desconhecedoras da Bíblia, as massas seguem comprando um evangelho falsificado, do tipo organizações tabajara, cujas promessas apontam para o fim de todos os problemas de saúde, financeiros e até sentimentais, desde que a semente (dinheiro) seja imediatamente semeada (depositada) na conta dos inescrupulosos telepregadores.
Prometem mas não garantem; pois garantir significa assegurar a eficácia do produto ou serviço, sob pena de substituí-lo por outro que corresponda ao que foi anunciado ou devolver todo o dinheiro pago. Porém, a realidade nos mostra que quando alguém ousa reclamar da ineficiência do sabonete ungido, acaba por ouvir como resposta a velha e descabida desculpa: - Não funcionou porque o problema está em sua falta de fé!
Ando triste com o clima dos bastidores mega-eclesiásticos, onde se respira poder e luta pelo poder. Já não me sinto à vontade em ambientes onde a lógica empresarial tirou da parede o retrato de um Jesus com toalha e bacia. Já não me atrai a idéia de subir  a escada dos cargos mais cobiçados  e rejeito falar em púlpitos de onde eu não possa dizer o que penso. Crente em um Deus que abre os braços para o rico sem contudo desprezar o pobre e que percebe o famoso sem entretanto esquecer-se do anônimo, digo não à dominação episcopal e sou contrário à idéia de alto e baixo cleros.
Embora no mundo da medicina existam tratamentos que permitem ao paciente voltar a conviver normalmente com os mesmos agentes causadores de suas alergias,  percebo que essa minha tristeza  não tem mais cura; é alergia que se tornou crônica. Por isso, tendo a me distanciar cada vez mais de estruturas que fazem a minha alma espirrar.
Longe dos grandes shows, prefiro viver a vida simples de  minha pequena paróquia. Assim, sigo pregando que a vida é dura, que durante nossa passagem pela terra nem todos serão curados, nem todos enriquecerão, nem todos escaparão das crises familiares, mas todos os que quiserem poderão andar juntos e se ajudar de alguma maneira. 

Assim, sigo escrevendo que cada igreja,  cada congregação, ainda  que aberta para a possibilidade de cooperação e diálogo, deve seguir livremente, submissa apenas a Cristo e à sua Palavra.
Humberto de Lima

Mais lidas na semana