" "

"Quando a escola progride, tudo progride!". (Martinho Lutero).

sexta-feira, 12 de março de 2010

Cidadania para inglês ver!


O povo brasileiro, ao que me parece, anda mais exigente, mais reivindicador, mais sedento de ordem e progresso.

Tomando empréstimo da retórica presidencial, devo dizer que nunca na história desse país tivemos tanta gente ligando para o 190, acionando o poder judiciário e denunciando através da imprensa!

Pinçada de seu contexto fático e circunstancial, esta observação, por si só, seria capaz de me fazer gritar aleluia e apregoar para o resto do mundo que estamos melhorando como nação. Mas, ao ouvir conversas que chegam das ruas, repartições públicas, barracos de favela e luxuosos condomínios, percebo que ainda há um cheiro de cosmético e um clima teatral nessa nova onda de cidadania.

Infelizmente, o grito por justiça de muita gente divide-se em duas partes – a primeira, realmente gritada e a outra, sussurrada, falada aos cochichos. É mais ou menos assim:

- Que sejam cassados todos aqueles políticos corruptos; e, que nada aconteça ao deputado Safo Silva, que está mexendo os pauzinhos para beneficiar a empresa de meu filho!

- Que sejam punidos com os rigores da lei todos os sonegadores de impostos; e, que ninguém pegue o John Bribe, que arranjou um estágio, um intercâmbio e um emprego para a Soninha!

- Que sejam metidos na prisão todos aqueles que desviam dinheiro da merenda escolar; e, que ninguém descubra o esquema de Dona Estelionilda, que cumprindo o papel de boa sogra, está me ajudando a construir minha casa nova!

- Que sejam demitidos todos os médicos que agem com negligência ou faltam aos plantões nos hospitais públicos; e, que jamais venham mexer com o pobre do Carlinhos, que assumiu compromissos além da conta para poder comprar aquela cobertura!

- Que sejam tirados todos os fantasmas da folha de pagamento da prefeitura lá naquela cidadezinha de uma rua só; e, que continue lá a Maria BU (Boa de Urna), que trabalhou muito na última campanha e conseguiu eleger meu sobrinho vereador!

Sei que de norte a sul e de leste a oeste, podemos encontrar exemplos dignos de serem seguidos.  Porém,  ao que me parece, para muita gente está na moda parecer cidadão competente e honesto sem entretanto ter que virar um deles.

Por isso, enquanto muitos ainda discutem se a autoria daquela velha frase é de Charles de Gaulle ou de Alves de Souza, não me resta nenhuma dúvida quanto à sua atualidade e aplicabilidade. “O Brasil não é um país sério!”

Para mudar as coisas lá no palácio, precisamos aprender a fazer nossa lição de casa. Caso contrário, o filme da corrupção se converterá em um longa metragem cada vez mais cheio de novos personagens.

Humberto de Lima

Nenhum comentário:

Mais lidas na semana