" "

"Quando a escola progride, tudo progride!". (Martinho Lutero).

sábado, 14 de novembro de 2009

Questão de preguiça


Enfadado, tento tirar um cochilo; mas as luzes acesas, o balanço provocado pela buraqueira e o barulho da turma já combinaram que não vão me deixar dormir.

Em meio ao burburinho, procuro identificar que tipo de música o motorista botou pra tocar hoje; o cara é eclético. Por falar em eclético, percebo que além do ronco do motor, vários sons se misturam dentro do veículo: tem celular, celular com TV, mp3, mp4, mp10, mptudo...

Apoio a cabeça no encosto, fecho os olhos e procuro não pensar em nada; apenas quero me deixar levar despreocupadamente, caminho afora.

De repente eles conseguem me tirar do modo de espera e logo tenho minha atenção despertada para um ruidoso papo que rola em todos os bancos ao meu redor. Estão falando do vestibular!

A princípio, escuto a discussão de duas meninas sobre uma das questões resolvidas nesta manhã. Elas conseguem lembrar detalhes da pergunta e até concordam que a resposta certa estava na alternativa b; o problema é que uma garante que a questão estava na prova de Física enquanto a outra afirma com toda a certeza do mundo que o enunciado estava na prova de Matemática.

Há entre eles, aqueles que preferem não conferir gabarito nem comentar nada; pois, acreditam que calar talvez seja uma forma de atrair surpresas boas no final.

Depois, alguém começa a falar sobre as questões abertas; é quando surge um conselho até então inédito para os meus ouvidos:

- O professor disse que nunca devemos deixar questões abertas em branco. Você deve colocar o que quiser, pode até mesmo escrever que está morto de fome e louco pra comer um cachorro quente com coca cola. Eles sempre vão considerar alguma coisa!

Em seguida, ouço outro diálogo que vem lá de trás:

- E tu, Fulana? Gostaste da prova?

- Amei, mas estou com medo.

Em minha cabeça, busco conciliar as duas idéias, completamente antagônicas: Ter medo apesar de ter gostado tanto. Talvez a frase se encaixasse melhor em situações de namoro e sexo; porém em provas, penso que você gosta e sai confiante ou você não gosta e sai inseguro.

Daqui a pouco, uma voz se destaca em meio às demais, trazendo a pérola do dia:

- Eu já fiz vestibular três vezes e estou consciente que se não passar dessa vez, é porque ainda não chegou a minha hora.

Chega a minha hora, isto é, minha hora de descer do carro. Então, deixo para trás aquele bando de rapazes e moças, alunos de boas escolas, filhos de bons pais e muito inteligentes. Já os conheço e tenho certeza de que não são nada burros; apenas gostam de curtir o ócio.


Humberto de Lima

Nenhum comentário:

Mais lidas na semana