" "

"Eu penso que patriotismo é como caridade - Começa em casa!". (Henry James).

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

No Tech Day

 
Você não consegue passar um dia sem telefone, jogos eletrônicos, computador, mp3, 4, 10..., televisão e outros apetrechos? 
 
Você fica irritadíssimo toda vez que sua conexão de internet cai, ainda que as interrupções não sejam tão freqüentes?
 
Quando a caminho do trabalho, depois de ter dirigido 10 quilômetros, você volta para pegar o celular ou um dos celulares que deixou em casa?
 
Você é do tipo que sempre leva laptop pra cama? Em suas noites, você tem acumulado mais horas de vídeo game do que horas de sono?
 
Seu desempenho no trabalho diminuiu e seus equipamentos de última geração nada lhe acrescentaram em termos de tempo livre?
 
Você checa e-mails enquanto almoça?
 
Você acaba de bater seu próprio recorde de downloads; e, em contrapartida, não lembra quando teve sexo com seu homem ou mulher? Ele ou ela já está reclamando que você anda bastante ausente e literalmente muito down?
 
SEUS PROBLEMAS APENAS COMEÇARAM! Você está viciado em tecnologia!
 
Dentre outros, você corre o risco de:
  1. Ficar mais doente; pois doente você já aparenta estar;
  2. Perder disciplinas na universidade ou ser contemplado com a cerimônia de jubilação (tem cerimônia pra isso?);
  3. Perder o emprego; seu patrão não vai lhe agüentar por muito tempo;
  4. Enfrentar brigas domésticas, receber um pedido de divórcio ou ver acontecer coisa pior;
MAS NÃO SE DESESPERE! Há uma saída!
 
Sugiro que você experimente viver um no tech day. Um dia na semana, longe dessas coisinhas eletrônicas, vai lhe mostrar que é perfeitamente possível saber lidar com elas.
 
À principio, você talvez fique nervoso, inquieto, queira subir nas paredes, vendo que a televisão e o computador permanecem desligados... Talvez seja melhor ir à praia, ao sítio, ao parque; pois se ficar em casa ou inventar de ir ao escritório a provação será bem mais difícil.
 
Se resistir á tentação e conseguir se acalmar, redescobrirá prazeres há muito esquecidos ou sentirá outros nunca experimentados. Tomar banho de sol ou de chuva, ter momentos de oração, conversar com o pessoal de casa, ler um livro, brincar com as crianças, passear de bicicleta, dar uma volta com o cachorro, fazer um serviço no quintal, cuidar de uma planta, tirar uma soneca depois do almoço...
 
Se não conseguir, procure ajuda profissional imediatamente; e, depois que estiver curado, tome cuidado para não ir de um extremo ao outro.
 
- Volte a navegar; e, de vez em quando, pare aqui no meu blog.
 
Humberto de Lima

3 comentários:

Deusilene disse...

Hum, acho que conheço alguns amigos assim!! Mas que bom,acompanhado desse parecer, vem os conselhos!
Valem a pena ser seguidos!!

Shalom!!

Dos peixes disse...

É Humberto você tem razão. Como dizia a minha avó: "tudo demais é veneno". Na verdade, o excesso de tecnologia é um problema crônico, como vc mesmo falou no texto, um simples dia longe desses aparelhos "essenciais" pode causar inquietação e nervosismo. Parece até que a televisão, o computador e a internet são parte de nosso corpo. Estou decidido: vou decretar um dia por mês no qual homenagearei o "no tech day". Estou ansioso para saber quais serão os efeitos colaterais que isso vai provocar em mim. =)
Abraço,
Gustavo Almeida da Costa

Cris Oliveira disse...

Confesso que muitas das veses me encontro em uma dessas situações. Meu celular é minha companhia inseparável,internet nem se fala, e quando a conexão cai...aiaiai(só cai quando o msn e o orkut estão bombando!)!
Mas será que tem cura?
Estou a procura dela. rsrsrsrs

Mais lidas na semana